EaD é mal avaliado pela maioria de alunos que responderam a enquete do CFF

0
501

A qualidade do ensino nos cursos de graduação em Farmácia durante a pandemia de Covid-19 já vinha preocupando o Conselho Federal de Farmácia (CFF), antes mesmo da publicação, nesta terça-feira, dia 17 de junho, da Portaria Nº 544/2020 pelo Ministério da Educação. Tanto que o CFF realizou entre os dias 27 de maio e 3 de junho, uma enquete com professores e alunos de cursos presenciais e EaD, para saber como as atividades pedagógicas, especialmente as que envolvem estágios e práticas, estavam sendo desenvolvidas nesse período. Respondida por 225 professores e 1.855 estudantes de 449 instituições, a maioria dos alunos, de cursos presenciais, a enquete mostrou, entre outros resultados, que 20,4% das instituições já vinham ofertando estágio a distância.

 

 

Os resultados preocupam o CFF, especialmente porque 47% dos estudantes revelaram se sentir desmotivados nas aulas virtuais e 63% demonstraram ter a percepção de que estão sendo pior preparados por meio do ensino a distância. Entre as críticas feitas pelos alunos ao ensino EaD, podem ser relacionadas a impossibilidade das aulas práticas e estágios; não adequação da tecnologia ao conteúdo que vai ser ensinado; uma maior superficialidade do conteúdo; a realização de avaliações por meio de exercícios, o que, na opinião dos estudantes, não afere o aprendizado; a dificuldade dos professores com as ferramentas digitais, que ficariam “travados” diante das câmeras; a falta de preparo dos professores para uso das ferramentas digitais.

 

 

A falta de interesse dos alunos está evidenciada também nas respostas dos professores. “A maioria dos alunos não tem demonstrado interesse na modalidade de ensino virtual”, disse um professor. “A principal dificuldade é de interação com os alunos, pois eles participam menos, não querem ligar microfones e câmeras. Sabemos que estão ‘logados’, mas não sabemos se a aprendizagem está sendo efetiva”, comentou outro professor. Um quinto dos professores admitiu não ter preparo para lidar com as ferramentas do EaD. Outros dados preocupantes são: 6% dos cursos sequer têm laboratórios e convênios para estágios e 48% não têm farmácia universitária.

 

 

O CFF está se preparando para editar a resolução que vai disciplinar a recusa de registros de diplomas de egressos de cursos EaD pelos conselhos regionais de Farmácia. Os primeiros alunos matriculados nesses cursos concluem sua graduação entre o final desse ano e o próximo. “O resultado da enquete será considerado na elaboração da norma, especialmente quanto às disciplinas que podem e as que não podem ser ministradas remotamente”, comenta o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João.

Um dado importante apontado pelos professores e alunos é o de que 70,2% dos entrevistados entendem que os conteúdos práticos não podem ser ofertados por meio de EaD. Porém para 29,8% algumas disciplinas que envolvem aulas práticas, podem sim ser ministradas a distância. “A fundamentação teórica da prática, ou aspectos teórico-metodológicos podem ser trabalhados de modo virtual. Já a formação de habilidades, que envolvem componente psicomotor (imitação, manipulação, precisão, articulação e naturalização), requerem o ensino presencial, indubitavelmente”, observa um dos professores que colaboraram com a enquete.

 

 

“Descobrimos novas dimensões que antes nos escapavam, estamos ampliando a compreensão sobre o que nos rodeia e nos faz perceber de uma outra forma a educação. Com as tecnologias atuais a escola pode transformar-se num espaço rico de aprendizagens significativas, presenciais e digitais”, comenta Zilamar Costa, presidente da Comissão Assessora de Educação Farmacêutica.

“Uma tendência é que o conselho venha a se tornar partidário de um sistema bimodal, ou seja, cursos presenciais com flexibilização da relação presencial-digital de forma progressiva, ensinando professores e alunos a aprender em ambientes virtuais e integrando as atividades presenciais e a distância de forma mais inteligente, sem, contudo, serem abolidos os momentos presenciais para aprofundamento, debate, contextualização esclarecimento de dúvidas e elaboração de sínteses, e principalmente, atividades para o desenvolvimento de habilidades”, complementa.

Clique aqui e confira mais dados sobre a pesquisa realizado pelo Conselho Federal de Farmácia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui