Farmacêuticos vacinam população na Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe (Influenza) durante a pandemia da Covid-19

0
318

Diante do eminente grau de propagação e letalidade do contágio por Covid-19,  este ano o Ministério da Saúde decidiu antecipar para o dia 23 de março o início da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe (Influenza). Mesmo não funcionando contra o Covid, mas devido a semelhança com os sintomas causados pela Gripe e escalada nos índices de internamento e óbitos pelo coronavírus, os gestores e autoridades de saúde buscaram facilitar a precisão do diagnóstico, prevendo o possível aumento dos casos da Sars-Cov-2. Receberam imunização grupos prioritários categorizados em fases, por faixa etária, área de atuação profissional e condição de saúde, entre eles, idosos, profissionais da saúde, doentes crônicos, professores, servidores da segurança pública, gestantes, pessoas com deficiência, entre outros.

Além da medida tomada pelo Ministério, a articulação de gestões municipais junto a conselhos regionais (CRFs) e redes de farmácia possibilitaram aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) acesso a vacina nesses estabelecimentos de saúde nos estados do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, e municípios de Campo Grande, Mato Grosso do Sul e São Paulo. A campanha foi realizada em paralelo a expansão da pandemia causada pelo Covid-19. As secretarias municipais decidiram inserir as farmácias à campanha como estratégia para agilizar a imunização da população, manter padrões de segurança ao se evitar aglomerações e exposição de pessoas e reduzir a demanda de atendimentos nas unidades de saúde da Atenção Primária à Saúde ao ampliar a rede de vacinação dos municípios. Tal medida foi possível através de um termo de colaboração que previu visitas das equipes de imunização das secretarias municipais de saúde para averiguação rigorosa das condições de armazenamento, espaço e ambiente necessários à administração das vacinas.

Em Porto Alegre, Capital do Rio Grande do Sul, farmacêuticos administraram nos estabelecimentos de saúde 155.056 doses do total de 719.573 aplicações no município, o que representa quase 22% das doses do imunizante contra os sorotipos de vírus Influenza. “A iniciativa da inclusão das farmácias parceiras na campanha de vacinação se pela  necessidade de ampliar, primeiramente, a capacidade da rede de imunização e tornar mais ágil o alcance a imunidade de rebanho. As farmácias, ao serem incluídas,  disponibilizaram novos pontos de atenção para a imunização da população, bem como, a correta destinação final dos resíduos em saúde gerados no momento da aplicação. Aproximadamente 50 farmácias participaram em caráter complementar a campanha de vacinação. As farmácias ao assumirem esse papel permitiu que as unidades de saúde pudessem se organizar a tempo para também atender melhor os pacientes com possíveis sintomas do coronavírus”, relata  o farmacêutico Leonel Almeida, Coordenador da Assistência farmacêutica da Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre.

Após três meses do seu início a campanha foi encerrada em 30 de junho. Os farmacêuticos continuaram firmes e seguiram o protocolo, mantiveram-se alerta, usaram máscara e luvas. Uma das redes de Farmácia que aderiu a campanha cedeu 21 estabelecimentos de saúde na capital do Estado, com disponibilidade de 100 farmacêuticos habilitados para administrar vacinas. “Participamos pela primeira vez da campanha e tivemos uma excelente adesão superando a expectativa. Elaboramos senhas para distribuição em horários diferenciados e atendemos também no modelo drive thru  para evitar as aglomerações para um atendimento mais personalizado e com segurança a ambas as partes. O farmacêutico teve seu maior reconhecimento dos últimos anos pelo excelente atendimento, orientações a população de maneira pontual e com todo um diferencial em um espaço clínico preparado para receber a população com todo o conforto e segurança”, considera a farmacêutica Janete Matos, Diretora na Administração de uma das redes participantes.

Em todo o período o Conselho Federal de Farmácia trabalhou intensamente com estados e municípios para a inserção do farmacêutico como vacinador na campanha. O CFF também conseguiu junto ao Ministério da Saúde, a inclusão do farmacêutico como profissional da saúde do grupo prioritário para a vacinação contra a gripe e posteriormente para a testagem e fornecimento de EPIs. A época do encerramento da campanha o Ministério da Saúde afirmou que 90,2% do público alvo no país foi alcançado. Foram distribuídas 79,9 milhões de doses da vacina aos Estados e 81,18% delas foram aplicadas. Os idosos foram o grupo prioritário mais bem assistido, atingindo 119,7% da cobertura vacinal.

Saiba mais aqui: Em todo o período o Conselho Federal de Farmácia trabalhou intensamente com estados e municípios para a inserção do farmacêutico como vacinador na campanha: https://bit.ly/3myaTHR

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui