Ficar atento a alguns sintomas pode evitar caso grave de Covid-19

0
826

Muitas pessoas ficam confusas em relação aos sintomas da Covid-19. O problema é decidir quando é hora de voltar ao hospital depois do diagnóstico. Avaliar se o caso está se agravando ou não. Foi o que aconteceu com a produtora de eventos, Sílvia Gehre. A brasiliense e o filho dela pegaram a doença em agosto deste ano. Ambos se recuperaram, mas a mãe dela não teve a mesma evolução. Sílvia conta que Dona Suely, de 73 anos, tem asma e, mesmo com Covid, não sentia falta de ar, reclamava apenas de sintomas leves, como muito sono e indisposição.

“Ela fez o teste da Covid e voltou pra casa. Três dias depois pegou o resultado pela internet e deu positivo. Ela foi ficando mais fraca, com dor no corpo, moleza e tontura. Aí nisso foi passando os dias e tomando os remédios que eles indicaram para Covid. Nós achávamos que essa moleza era só uma dor no corpo mesmo, uma indisposição da doença”, contou Sílvia.

Como a mãe dormia muito, a filha, preocupada, conversou com amigos e recebeu orientações de farmacêuticos para que procurasse saber como estava a saturação no sangue, ou seja, a oxigenação. Caso tivesse baixa poderia ser indicativo de problema no pulmão. Ela foi orientada pelos profissionais de saúde a adquirir um oxímetro. Segundo protocolo de organismos internacionais de saúde, o nível abaixo de 95% já pode ser considerado crítico.

“Na farmácia perguntei para o rapaz como devia proceder se tivesse abaixo e ele disse era para correr para o hospital. Então fomos para o hospital e quando chegamos lá a saturação dela estava em 84%. Aí os médicos internaram logo e já colocaram máscara de oxigênio. Ela foi ficando sem ar e com o pulmão cheio aos poucos sem perceber. Ela não sentiu falta de ar”, relatou Sílvia. Dona Suely ficou oito dias na UTI. Ela chegou a ficar com 50% do pulmão comprometido, mas já se recuperou e teve alta. Sílvia atribui a recuperação à orientação prévia dos farmacêuticos e às diversas orações de amigos e de parentes.

A farmacêutica clínica Ligiane Silva, que é doutoranda em Educação e professora plantonista do Hospital Universitário do Oeste do Paraná, teve experiência com pacientes graves de Covid e reforça que pacientes idosos nem sempre apresentam febre e os sintomas podem ser inespecíficos. “Às vezes se espera a febre presente como sinal de gravidade, mas idosos, crianças e imunossuprimidos podem não manifestar febre. Então é preciso se atentar a outros sinais presentes, principalmente, a dificuldade respiratória, onde é importante fazer a verificação dessa saturação do O2 para avaliar se ele está enquadrado num quadro leve, moderado ou grave”.

O conselheiro federal de Farmácia pelo Paraná, Luiz Gustavo Pires, ressalta que o atendimento clínico prestado pelo farmacêutico pode ajudar as pessoas a descobrirem doenças precocemente e assim evitar complicações maiores. “Sempre que esse profissional suspeitar de que o paciente precisa e um diagnóstico ou de outro nível de atenção – visto que a farmácia está no nível da atenção básica – ele deve encaminhar o paciente ao médico. Foi o que ocorreu com a Dona Suely, quando o resultado do teste alertou para um agravamento da Covid-19. Como vimos neste caso específico, a recuperação da Dona Suely foi bem sucedida devido à orientação prévia de farmacêuticos que sugeriram a medição do nível de oxigênio no sangue da paciente. É por isso que o Conselho Federal incentiva a prática clínica, porque é muito importante para manter a saúde das pessoas e pode ajudar a salvar vidas”.

A farmacêutica esclarece, no entanto, que os sinais e sintomas da Covid-19, principalmente nos extremos de idade, como idosos e crianças e pessoas com a imunidade comprometida, podem ser inespecíficos e confusos até mesmo para os profissionais da saúde. Os pacientes que pertencem aos grupos de risco precisam ter atenção redobrada. Verificar a saturação do oxigênio no sangue é apenas um dos sinais de alerta. Alguns pacientes graves podem não apresentar dificuldades respiratórias e, mesmo assim, apresentar comprometimento do pulmão.

Ouça esta matéria da Rádio News Farma!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui